16/05/11 | 10:00
Prevenção à Cegueira Infantil

As doenças oftalmológicas mais comuns na primeira infância – como a conjuntivite, glaucoma congênito, catarata congênita e a retinopatia da prematuridade – foram temas do “II Encontro de Prevenção da Cegueira Infantil”, que a Prefeitura de Manaus promoveu na última sexta-feira (13),  no auditório da Maternidade Municipal Dr. Moura Tapajóz, no bairro da Compensa. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Francisco Deodato, um dos temas centrais do evento foi a importância do “Teste do Olhinho”, um exame simples, que deve ser feito nos recém-nascidos, com a finalidade de detectar precocemente várias patologias oculares graves.

O Encontro teve como palestrantes convidados os oftalmologistas Theodomiro Garrido, especialista em retina e vítreo; Juliana Garrido, especialista em oftalmologista pediátrica; Christina Garrido, especialista em córnea; e Gilson Bentes, especialista em doenças da pálpebra; além da neonatologista Rossiclei Pinheiro. Todos eles integram o Grupo Nacional da Retinopatia da Prematuridade.

A pediatra Elena Marta Amaral dos Santos, chefe do Setor de Saúde da Criança e do Adolescente, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), explicou que, além de palestras, a programação do evento incluiu um treinamento de atualização sobre a técnica do “Teste do Olhinho”, para os pediatras participantes do encontro. Também chamado de teste do reflexo vermelho, o exame ajuda a detectar doenças como a catarata congênita, o glaucoma e a retinopatia da prematuridade, permitindo o tratamento precoce, inclusive, de casos que podem evoluir para a cegueira.

“É um exame muito simples e rápido, não precisa sequer de colírio e não causa dor ao bebê. O oftalmoscópio, o pequeno aparelho utilizado para fazer o teste, é um dos instrumentos de trabalho de pediatra, tanto quanto o estetoscópio, utilizado para auscultar a criança”, diz a Elena Marta. Segundo ela, o ideal é que o recém-nascido passe pelo teste antes mesmo de receber alta na maternidade. O exame pode ser realizado pelo pediatra ou neonatologista. Se alguma alteração for identificada, o bebê deve ser encaminhado para o oftalmologista, para realização de exames mais específicos.

Fique por dentro:

- Estudos mostram que 80% da cegueira mundial poderia ser evitada, sendo 60% curável e 20% prevenível;

- No Brasil, estima-se que existam entre 25.000 e 30.000 crianças cegas, o que corresponde a, aproximadamente, 150 a 180 crianças cegas para cada milhão de habitantes;

- A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica estima que, de cada 100 crianças nascidas, uma tem catarata, que se for cuidada a tempo pode evitar a cegueira;

- A retinopatia da prematuridade (ROP) é uma das maiores causas de cegueira infantil e tem proporções epidêmicas em vários países latino-americanos, incluindo o Brasil.

Reportagem – Terezinha Torres