Programa de Imunizações

Dúvidas Frequentes

 

Por que a vacinação é importante?

Quem não se vacina não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contato, além de contribuir para aumentar a circulação de doenças. Tomar vacinas é a melhor maneira de se proteger de uma variedade de doenças graves e de suas complicações, que podem até levar à morte.

Graças à vacinação, houve uma queda drástica na incidência de doenças que costumavam matar milhares de pessoas todos os anos até a metade do século passado – como coqueluche, sarampo, poliomielite e rubéola. Mas, mesmo estando sob controle hoje em dia, elas podem rapidamente voltar a se tornar uma epidemia caso as pessoas parem de se vacinar.

 

Como as doenças se espalham?

A maioria das doenças que podem ser prevenidas por vacina são transmitidas pelo contato com objetos contaminados ou quando o doente espirra, tosse ou fala, pois ele expele pequenas gotículas que contém os agentes infecciosos. Assim, se um indivíduo é infectado, pode transmitir a doença para outros que também não foram imunizados.

 

Como são feitas as vacinas?

As vacinas são feitas com microrganismos da própria doença que previne. Por exemplo: a vacina contra o sarampo contém o vírus do sarampo. No entanto, estes microrganismos estão enfraquecidos ou mortos, fazendo com que o corpo não desenvolva a doença, mas se torne preparado para combatê-la se for necessário.

 

Então as vacinas são seguras?

Sim. Toda vacina licenciada para uso passou antes por diversas fases de avaliação, garantindo sua segurança. Elas também passam pela avaliação de institutos reguladores rígidos. No Brasil, essa função cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Foi por meio das vacinas que conseguimos erradicar a varíola e controlar diversas doenças, como a poliomielite (paralisia infantil), o sarampo, a coqueluche e a difteria, entre outras. Isso comprova a eficácia das vacinas em promover proteção com segurança. E não é só isso. A vigilância de eventos adversos continua acontecendo depois que a vacina é licenciada. Isso possibilita continuar monitorando a segurança do produto.

 

Como as vacinas atuam no nosso corpo?

As vacinas são o meio mais seguro e eficaz de nos protegermos contra certas doenças infecciosas, e são obtidas a partir de partículas do próprio agente agressor, sempre na forma atenuada (enfraquecida) ou inativada (morta).

Quando nosso organismo é atacado por um vírus ou bactéria, nosso sistema imunológico — de defesa — dispara uma reação em cadeia com o objetivo de frear a ação desses agentes estranhos. Infelizmente, nem sempre essa ‘operação’ é bem-sucedida e, quando isso ocorre, ficamos doentes.

O que as vacinas fazem é se passarem por agentes infecciosos de forma a estimular a produção de nossas defesas, por meio de anticorpos específicos contra o “inimigo”. Assim, elas ensinam o nosso organismo a se defender de forma eficaz. Aí, quando o ataque de verdade acontece, a defesa é reativada por meio da memória do sistema imunológico. É isso que vai fazer com que a ação inimiga seja muito limitada ou, como acontece na maioria das vezes, totalmente eliminada, antes que a doença se instale.

Eventuais reações, como febre e dor local, podem ocorrer após a aplicação de uma vacina, mas os benefícios da imunização são muito maiores que os riscos dessas reações temporárias.

 

Somente as crianças tomam vacina?

Mesmo quem não está nos grupos de risco deve se proteger. Vacinadas, as pessoas ficam menos vulneráveis ao contágio de várias doenças. E vacinação significa proteção individual, mas também coletiva, pois quanto menos pessoas adoecem, menor é a possibilidade de transmissão e mais saudável ficará a comunidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde têm uma lista de vacinas recomendadas, mesmo na idade adulta.

 

A vacinação deve prosseguir quando os filhos são adolescentes?

Por volta dos sete anos, para quem seguiu as recomendações do pediatra, é comum dar-se por encerrada a tarefa de vacinar os filhos. Trata-se, entretanto, apenas da primeira etapa: para garantir a imunização contra uma série de doenças e até contribuir para a erradicação de outras tantas, é fundamental que o adolescente também seja vacinado.

Existem vacinas que necessitam de doses de reforço durante a adolescência, como a vacina contra o tétano e a difteria. Algumas não fazem parte do atual calendário de rotina, mas devem ser administradas segundo prescrição médica, já que nunca se sabe quando pode haver o contato com determinados microorganismos que transmitem doenças – um exemplo clássico é a febre amarela. Há ainda as específicas, recomendadas pelo médico que acompanha o jovem.

 

Se a carteira de vacinação for perdida na adolescência? 

Outra situação em que o adolescente deve ser vacinado é quando ele não possui a carteira de vacinação que deveria ter sido completada na infância. Nesse caso, o médico pode optar por repetir algumas vacinas e reforçar outras que, supostamente, já foram aplicadas.

Por fim, existem as vacinas que protegem contra doenças e vírus que se tornaram especialmente comuns entre os jovens. É o caso do HPV, vírus transmitido sexualmente, que pode causar condiloma e câncer no colo do útero.

 

Então, as vacinas são para todas as idades?

Sim. A forma mais eficaz de prevenção de doenças é a vacinação de todos os membros da família. Algumas crianças pequenas são, involuntariamente, portadoras da bactéria. A criança pode transmitir a bactéria para o adulto que, dependendo do seu estado de saúde, adoece.

O ideal é que todos sejam vacinados. Existem vacinas adequadas para homens, mulheres, idosos, viajantes, gestantes. O importante é seguir a recomendação médica e tomar as vacinas para conter o avanço das doenças.

 

Onde posso vacinar a minha família?

Nas salas de vacina das Unidades Básicas de Saúde, CAIC (Centro de Atenção Integral a Criança), Unidades Básicas de Saúde da Família e Policlínicas.

 

Como tirar meu cartão de vacinação?

Procurando uma sala de vacina para realizar as vacinações necessárias para sua faixa etária.

 

Que documentos são necessários?

Documento de identificação com foto e carteira de vacinação (se houver)

 

Calendário Vacinal 

Acesse aqui: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/calendario-vacinacao

 

Serviços/Orientações

As vacinas, com exceção da vacina BCG, preconizadas no calendário de vacinação estão disponíveis em todas as salas de vacina do município de Manaus, que podem ser consultadas no site da SEMSA.

A vacina BCG é ofertada em todas as Maternidades Públicas do município de Manaus. Para crianças nascidas em domicílio ou em maternidades privadas que não ofertam a vacina, a secretaria Municipal dispõe de 8 salas de vacinas que ofertam esse imunobiológico, as terças e sextas- feiras, das 8h às 13h.

A vacina anti-rábica está disponível em 17 salas de vacina e, necessita avaliação médica com indicação da vacina para receber o imunobiológico.